Skip to main content

A Associação Brasileira de Reciclagem Animal – ABRA – participou no último dia 10, da Audiência Pública: “Mortandade Animal nas Propriedades Rurais e a Destinação de carcaças”, realizada na Assembleia Legislativa do Paraná.
 
A pauta foi proposta pelo deputado José Carlos Schiavinato do Partido Progressista do estado, com apoio da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, além dos blocos agropecuário e da Agricultura Familiar.
 
A destinação de carcaças nas propriedades rurais vem preocupando os órgãos governamentais e principalmente os produtores rurais da região Oeste por envolver o transporte, o acondicionamento e a destinação final das carcaças, o que representa um alto custo para produtor.
 
Entre as reivindicações do setor está uma regulamentação em conformidade com padrões internacionais, capaz, inclusive, de contribuir para o aumento das exportações brasileiras.
 
O Coordenador técnico da ABRA, Sr. Lucas Cypriano propôs na oportunidade como a alternativa mais sustentável e econômica a reciclagem dessas carcaças quando a mortalidade esteja dentro dos limites estipulados como “normais” pelas autoridades sanitárias.
 
Para Cypriano, a produção de farinhas e gorduras a partir de carcaças tiraria do produtor o alto custo em descartar esses resíduos e resolveria o problema de contaminação do meio ambiente no estado.“Quando acontece casos de mortalidade em propriedades rurais, o produtor fica com o ônus de resolver o problema o que na maioria das vezes não é a resolução mais adequada. A transformação desses dejetos não acarretaria em um gasto para o produtor e evitaria que o meio ambiente recebesse esse material que é altamente contaminante”.
 
Na audiência foi decidido a criação de um grupo de trabalho para debater junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) a destinação dessas carcaças no Paraná. Farão parte do grupo a Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, e também dos blocos Agropecuário e da Agricultura Familiar, as associações de ligadas a suinocultura, avicultura e bovinocultura do estado, representantes da Embrapa e a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar).
 
COLETA DE MORTALIDADE
 
A coleta de carcaças a campo já acontece em grandes países produtores cárneos, como os EUA, Canadá, Comunidade Europeia, Austrália, Chile, Nova Zelândia e China. Nos EUA onde a coleta não é obrigatória, foram coletados em fazendas e granjas 1,7 bilhões de quilos no ano de 2012. Já na Comunidade Europeia, onde a prática é obrigatória, em 2013, foram coletados 2,4 bilhões de quilos.
 
A ABRA discute o tema desde maio de 2013, que foi assunto do II Painel Novos Horizontes para a Reciclagem Animal na Avesui.
 
Confira as fotos da audência: