A Associação Brasileira de Reciclagem Animal (ABRA) lança amanhã, quinta-feira, dia 10 de dezembro, o II Diagnóstico da Indústria Brasileira de Reciclagem Animal. O estudo apresenta dados atualizados do setor, com informações sobre a produção de farinhas e gorduras feitas a partir do processamento de coprodutos animais. Além disso, traz os números de exportações, empregos e impostos gerados pelas indústrias desse segmento. O lançamento será feito no restaurante Coco Bambu, no Setor de Clubes Sul, em Brasília-DF, e deve contar com a presença da diretoria da entidade, associados e representantes de órgãos governamentais ligados à cadeia produtiva e à exportação.
Esse é o segundo estudo completo sobre o setor feito pela ABRA. O primeiro foi divulgado em 2011. Os objetivos são mostrar uma fotografia atual do segmento, apontar o potencial econômico da reciclagem animal no país e destacar a importância ambiental dessa atividade. A entidade espera ainda indicar os principais desafios a serem enfrentados pelas indústrias nos próximos anos.
As indústrias de reciclagem animal são vitais para toda a cadeia produtiva de carnes brasileira. Em 2014, elas processaram 12,4 milhões de toneladas de coprodutos, como vísceras, sangue e ossos de bovinos, suínos e aves. Foram 5,3 milhões de toneladas de farinhas e gorduras produzidas no Brasil, ingredientes importantes para fabricação de rações (aves, suínos, peixes e pets), de biodiesel, de produtos de higiene e cosméticos, de fertilizantes e de itens como vernizes e lubrificantes. Sem o processamento, os resíduos dos abates em frigoríficos e abatedouros seriam descartados no meio ambiente, inviabilizando a produção sustentável no país.
 
Fonte: Assessoria de Comunicação ABRA