A Associação Brasileira de Reciclagem Animal – ABRA firmou o convênio com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – SEBRAE para disseminação tecnológica para o setor de Reciclagem Animal.
 
O convênio tem o objetivo de contribuir para o avanço tecnológico da Reciclagem Animal no Brasil através da ampliação do conhecimento teórico e tecnológico que serão aplicados aos sistemas de produção. Para isso, a ABRA irá elaborar e editar um manual de Boas Práticas de Fabricação específico para o setor.
 
Através desse manual será desenvolvido o selo de qualidade para as indústrias de Reciclagem Animal, que servirá de base para a rastreabilidade e certificação da produção brasileira de farinhas e gorduras de origem animal. Além disso, o selo tem a finalidade de reduzir os custos, aumentar a confiabilidade e garantir aos clientes dessas indústrias que estão sendo realizadas todas as etapas de processamento dentro do padrão de qualidade exigido pela legislação e pelo mercado.
 
A gestora da ABRA, Sra. Catia Macedo considera que o projeto é de grande importância por suprir uma das necessidades do setor. “Nós como entidade oficial do setor estamos trabalhando nas linhas para o desenvolvimento da Reciclagem Animal. Esse é um projeto grandioso e que abrange todo o Brasil. A partir do selo, as indústrias transmitirão maior confiabilidade sobre as gorduras e farinhas de origem animal e isso agrega valor aos produtos das nossas indústrias” afirma.
 
Serão elaborados livretos voltados para as boas praticas na produção de farinhas e gorduras, com as principais técnicas relacionadas à produção de farinhas e gorduras de origem animal desde o início do ciclo.
 
A ABRA realizará ainda cinco seminários legais que terão a presença de técnicos responsáveis pelas fiscalizações e os beneficiários para abrir um canal de comunicação e facilitar o entendimento da legislação, melhorando a comunicação com as autoridades competentes. Os seminários serão realizados nas cinco regiões brasileiras o que facilita o acesso e o deslocamento dos interessados.
 
O convênio também permite que sejam identificados e escritos os cases de sucesso do setor para incentivar a promoção da Reciclagem Animal e para criar um livreto que preservará a memória do setor.
 
A meta é ter até o final do primeiro ano, cerca de 10 empresas certificadas com o Selo de Qualidade, capacitar 150 pessoas nos seminários legais e capacitar pelo menos 600 pessoas no ciclo de capacitação de qualidade.