A ABRA – Associação Brasileira de Reciclagem Animal, reuniu-se na última quarta-feira (30), com o secretário de Recursos Hídricos e Resíduos e Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente – MMA, Sr. Pedro Wilson, para discutir a inclusão da cadeia da reciclagem de resíduos do abate animal no Plano Nacional de Resíduos Sólidos -PNRS.
Hoje, o Plano aborda os resíduos urbanos, secos e úmidos, resíduos da construção civil e da agropecuária que trata apenas dos dejetos dos animais.

A indústria brasileira de reciclagem animal processa mais 12 milhões de toneladas/ano de resíduos animais vindos do abate, gerando mais de 65 mil empregos diretos  e um PIB estimado em 5,8 bilhões de reais. “Somos prestadores de um importantíssimo serviço ambiental a sociedade, garantindo a sustentabilidade na cadeia da carne e gerando renda” afirma Sr. Vinícius Oliveira, Secretário Executivo da ABRA.

Por isso, a ABRA viu a grande importância de o setor fazer parte do PNRS, para que as empresas de  reciclagem animal tenha os mesmo benefícios que os demais setores de reciclagem de resíduos sólidos. É no mínimo justo, finaliza o Sr. Oliveira.

O secretário parabenizou a ABRA pela iniciativa de buscar a regulamentação junto ao Ministério e irá encaminhar o ofício protocolado pela associação para a área técnica da Secretaria para que seja marcada uma reunião para discussão da regulamentação. Para o Sr. Pedro Wilson, a regulamentação abre o leque de negociações com o Governo Federal e com a sociedade gerando também incentivos para os empresários do setor. “Com a inclusão de vocês nesse hall, vocês terão financiamentos, entrarão numa roda maior de negociação com o Estado e com a sociedade”. Garante.

Com o setor de Reciclagem Animal incluído no Plano Nacional de Resíduos Sólidos, mais de 512 empresas que estão registradas no Sistema de Inspeção Federal, Estadual e Municipal  poderão receber os incentivos governamentais.