A Associação Brasileira de Reciclagem Animal – ABRA apoia e esteve presente  no último dia 12 no ato público em defesa da suinocultura brasileira. O ato foi organizado pela Associação Brasileira dos Criadores de Suínos – ABCS e realizado na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado.
 
O ato foi seguido de  audiência pública  e aconteceu no auditório Peotônio Portela no Senado Federal, onde estiveram presentes parlamentares, representantes do governo federal, prefeitos e lideranças dos suinocultores para discutir a grave crise no setor.
 
O presidente da Associação Brasileira de Criadores de Suínos, Sr. Marcelo Lopes, cobrou que seja estabelecido um preço mínimo para a carne suína. Já o presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína – ABIPECS, Sr. Pedro de Camargo Neto garantiu que o apoio do poder público ajudaria o setor a manter os preços de venda da carne suína. “O governo não nos ajudou quando deveria, quando poderia”, lamentou.
 
A crise vem se agravando desde 2009, quando houve aumento na produção e queda nas vendas da carne suína. Apesar do fator positivo da alta produtividade, a queda nas vendas fez com que as granjas mantivessem os suínos, o que eleva os custos na produção, principalmente na elevação dos custos do milho e da soja, matérias-primas usadas na alimentação dos suínos.
 
Outro fator que contribui para a crise foi a queda no número de exportação da carne. Há mais de um ano a Rússia embargou a carne suína brasileira e a Argentina também passou a restringir as importações do produto.
 
Para amenizar a crise, o ministro da Agricultura, Sr. Mendes Ribeiro anunciou medidas como a Liberação de mais de R$ 137 bilhões para a agricultura comercial e familiar, renegociação de dívidas e criação de linhas especiais de crédito de mais de R$ 200 milhões aos suinocultores.
 
Segundo o ministro, o governo tinha o conhecimento da situação da suinocultura, mas contratempos impediram o combate a crise. “Nos debatemos a crise, percebemos que ela estava chegando, e tentando começar a agir e esbarramos em dificuldades”. 
 
Muitos suinocultores consideraram as medidas insuficientes para que seja estabelecida uma solução. O suinocultor do Distrito Federal, Sr. Juvenil Antônio Sense,  diz que grande parte dos suinocultores não terão acesso às medidas anunciadas. “Eu não conseguirei por que o meu limite no banco já foi atingido, e por causa desse limite, eu acho que poucos terão acesso a esse custeio”.
 
Durante a audiência pública também foi instalada a Frente Parlamentar mista da Suinocultura para auxiliar na busca de uma solução para a crise.