Skip to main content

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), participará de dois eventos especiais voltados para os mercados da Coreia do Sul e do Japão. Hoje, o vice-presidente de mercados da associação, Ricardo Santin, fará uma apresentação durante uma rodada de negócios em evento organizado pelos Ministérios da Agricultura e das Relações Exteriores, juntamente com a Apex-Brasil, em Seul (Coreia do Sul). O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, também estará no evento.
No dia 12 de setembro, será a vez do Seminário Avicultura e Suinocultura no Brasil – Parceria em Prol da Qualidade e da Segurança Alimentar, que acontecerá na Embaixada Brasileira em Tóquio. O evento é promovido pela ABPA, juntamente com a Apex-Brasil e a Embaixada. Nas duas oportunidades, Santin tratará dos diferenciais técnico-sanitários, da qualidade e da capacidade de fornecimento de produtos da cadeia agroindustrial do Brasil. Em Tóquio também está programada a abertura do evento pelo Embaixador Brasileiro no Japão, André Corrêa do Lago.
“Hoje o Japão e a Coreia do Sul são grandes demandantes da carne de frango brasileira. O mercado japonês é, inclusive, nosso segundo maior mercado. Entretanto, podemos contribuir ainda mais para a segurança alimentar destes dois países com carne suína e ovos de excelente qualidade. Atualmente, só o Japão está aberto para estes dois produtos, mas ainda importa baixos volumes”, explica.
Em vias de abrir seu mercado para a carne suína brasileira do Estado de Santa Catarina (por ser o único estado brasileiro com reconhecimento de “livre de aftosa sem vacinação”), a Coreia do Sul é hoje uma das grandes ambições do setor, que tem em países da Ásia alguns de seus principais mercados.
“A qualidade e o status sanitário diferenciados são marcas da avicultura e da suinocultura do Brasil. Queremos mostrar para estes mercados que a mesma confiança que já conquistamos para o fornecimento de carne de frango, pode ser dada para a carne suína e o ovo do Brasil. Temos distinções que nos precedem, como o fato de sermos livres de enfermidades como Influenza Aviária, Peste Suína Clássica e Diarreia Suína Epidêmica”, ressalta Santin.
Além do Japão e da Coreia do Sul, o vice-presidente de mercados da ABPA ainda têm em seu roteiro vários outros mercados, em encontros que acontecerão conjuntamente com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
Entre estes países estão a Tailândia (negociação de abertura para carne suína), Myanmar (viabilização de vendas de aves e suínos), Malásia (incremento de vendas de carne de frango halal) e Índia (negociação para redução de tarifas de importação, hoje superiores a 100%).
Fonte: Agronotícias MT