Mato Grosso ampliou em 18,7% os abates de bovinos no segundo trimestre do ano na comparação com o mesmo período de 2011. O plantel enviado às indústrias frigoríficas avançou de 1 milhão para 1,2 milhão de cabeças, informou nesta quinta-feira (27) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) por meio da Pesquisa Trimestral do Abate de Animais, do Leite, do Couro e da Produção de Ovos de Galinha.
 
Sozinho, o estado abateu aproximadamente 16% do total brasileiro de 7,6 milhões de exemplares. O peso acumulado de carcaças no segundo trimestre alcançou 297.678 toneladas na unidade federada, resultado 20% superior ao registrado no igual período de 2011, em 248.010 toneladas.
 
Analista de mercado do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Carlos Ivam Garcia diz que no estado as operações em alta ainda refletem o envio frequente de fêmeas aos frigoríficos, comumemente verificado nos meses iniciais de 2012.
 
Na comparação com o trimestre anterior o estado registrou uma leve expansão no total de abates. Entre janeiro e março foram 1,1 milhão de animais (9% a mais sobre o primeiro trimestre de 2011).
 
O estado é detentor do maior rebanho bovino do país e concentra a maior parte das operações pela indústria. De acordo com o IBGE, neste segundo trimestre do ano Mato Grosso e Mato Grosso do Sul lideraram o ranking dos estados que mais abateram.
 
A participação das unidades federadas correspondeu a 67% das 558 mil unidades bovinas abatidas a mais em todo país. Após Mato Grosso, Mato Grosso do Sul abateu 994.055 bovinos.
 
O Brasil também encerrou o trimestre abatendo mais. Foram 7,6 milhões de cabeças no segundo trimestre de 2012, número 5,6% superior em relação ao trimestre imediatamente anterior de 7,9% na comparação com o igual período de 2011.
 
A pesquisa apontou que o peso acumulado de carcaças atingiu 1,8 milhão de toneladas, representando 6,6% a mais que o registrado no primeiro trimestre e 8,7% superior ante o segundo trimestre de 2012.
 
O IBGE informou nesta quinta-feira que "o volume de cabeças abatidas alcançou o mesmo patamar registrado no 3º trimestre de 2007 e do período pré-crise financeira internacional (2º trimestre de 2008)".
 
"Desde então, o abate nacional passou por recuperação da atividade (2º trimestre de 2010), seguida por período de declínio. E por último, culminou neste trimestre com nova ascensão da produção frente à concorrência de outras carnes", citou em seu relatório o Instituto Brasileiro.
 
Fonte: G1