O Brasil abateu 31,118 milhões de bovinos em 2012, crescimento de 8,16% em relação a 2011. A quantidade é recorde e superou a marca de 30,7 milhões obtida em 2007. A elevação foi puxada pelo incremento de 10% no número de fêmeas abatidas em 2012 em relação a 2011, em especial pelas novilhas, categoria que cresceu 28,49% ao registrar 2,4 milhões de animais no gancho. Isoladas, as vacas registraram aumento de 9,65% e atingiram 10,6 milhões de cabeças.
 
Segundo o consultor de mercado da Scot Consultoria, Hyberville Paulo DAthayde Neto, esse resultado é reflexo do atual momento do ciclo pecuário. "A retenção de fêmeas nos últimos anos gerou aumento do rebanho, da oferta de gado e da oferta de reposição. Com o aumento dos custos, se criou uma pressão sobre a receita do pecuarista que abateu para fazer caixa", justifica. "Esses números mostram a insatisfação do pecuarista quanto à rentabilidade da atividade", acrescenta.
  
Já a participação das matrizes saiu dos 33,58% em 2011 e chegou aos 34,11% no último ano. Ao incluir as novilhas, a participação das fêmeas atingiu 40,98%, contra 40,16% em 2011.
 
O abate de bois gordos totalizou 16,1 milhões de cabeças e cresceu abaixo da média, com 7,74%. A categoria de machos, em geral, cresceu 6,47% em comparação a 2011, e fechou o ano em 18 milhões. Já os novilhos precoces decaíram 3,1% em 2012, e ficaram em 1,9 milhão.
 
Para 2013, Hyberville Neto prevê manutenção dos números com grande quantidade de abate de fêmeas, o que justifica o preço moderado da arroba do boi gordo.
  
 Fonte: Portal DBO.