A publicação “Mitigando Riscos na Coleta de Carcaças de Suínos” foi coordenada pela ABRA (Associação Brasileira de Reciclagem Animal). É um estudo completo realizado pela Dra. Masaio Mizuno Ishizuka. Tem o apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e das empresas Eurotec Nutrition e Haarslev.
A suinocultura enfrenta dificuldades para a destinação de cadáveres de suínos que morreram nas granjas, em condições de rotina e busca alternativas de destinos que sejam externos à área de produção, que possam minimizar o trabalho interno e ainda agregar valor.
O desafio está em garantir o bem-estar dos animais, a saúde dos trabalhadores e o saneamento ambiental. “Não estamos defendendo a substituição de procedimentos em vigência para destinação de animais mortos nem impondo o tratamento industrial, mas tão somente ampliando as alternativas possíveis, oferecendo aos criadores a oportunidade de escolha de acordo com suas possibilidades e capacidades, aumentando a segurança da suinocultura”, afirma Masaio Mizuno Ishizuka.
A publicação apresenta a visão de universidades de diversos países sobre o tema, o impacto ambiental dos diferentes processos de disposição de carcaças, a realidade brasileira, a realidade mundial e as medidas mitigadoras de risco na estocagem, transporte e processamento dessas carcaças. Com isso, a ABRA amplia o debate sobre a coleta e o processamento de carcaças a campo. O estudo tem 220 paginas.

Os interessados em adquirir a publicação podem enviar e-mail para abra@abra.ind.br ou comunicacao@abra.ind.br.